Enquadramento

Edifício dos Serviços Municipais de Lagos
Edifício dos Serviços Municipais de Lagos
Edifício dos Serviços Municipais de Lagos
Edifício dos Serviços Municipais de Lagos
Edifício dos Serviços Municipais de Lagos
Edifício dos Serviços Municipais de Lagos
Edifício dos Serviços Municipais de Lagos

O Edifício dos Serviços Municipais de Lagos encontra-se num importante eixo de ligação e renovação do tecido urbano da cidade de Lagos.

Assim, para este projeto arquitectónico,  foi nosso objectivo conferir um tratamento formal que fizesse enfatizar essa função de charneira, levando-nos à opção de utilizar dois volumes com materiais distintos.

Solução

A solução arquitectónica proposta surge em grande parte da configuração e localização do lote atribuído para o edifício dos Paços do Concelho com a nova proposta de loteamento.

Quer a sua autonomização e posicionamento, como a maior área assim disponibilizada, vieram permitir a abordagem do edifício como uma peça “isolada”, com respiração própria e exposto em todo o seu contorno.

A abordagem do edifício surge como um todo, e pretende anular a ideia de hierarquia de frentes, expresso quer no tratamento destas e envolvente, como na possibilidade de acesso de forma transversal e de ambos os lados, com acesso directo ao “Cora”, o átrio principal.

O corpo poente, com uma relação eminentemente mais urbana, ligada à terra, mais maciço, e do lado oposto com uma relação mais marítima.

Na “frente urbana” o betão branco, na frente “marítima” a madeira, na junção dos dois, o vidro e a luz unificam e tencionam a sua relação.

A relação intrínseca que se pretende criar entre o edifício e a nova praça é dramatizada pelo volume do Auditório/Salão Nobre que se projecta na direcção da mesma, participando formal e simbolicamente, tentando aproximar aquilo que é público entre o interior e exterior.