Escola Básica Parque Silva Porto

Enquadramento

Construída na década de 60 na Freguesia de Benfica, a Escola Básica Parque Silva Porto nunca tinha tido sido alvo de reabilitação desde então. Visivelmente degradada, era imperativo atuar sobre a estrutura de modo a garantir o conforto e a segurança necessários para o normal funcionamento do espaço.

Solução

– Demolição integral do actual corpo central de ligação, e edificação de um corpo novo com 3 pisos e cerca de 1100m2 na localização do demolido, estabelecendo a ligação entre os dois edifícios existentes (norte e sul).
– Recuperação, modernização e Implementação do novo programa funcional.
– Correcção de patologias construtivas existentes.
– Melhoria das condições de acessibilidade e implementação do Decreto-Lei nº163/2006, de 8 de Agosto;
– Adequação dos espaços lectivos às actuais exigências pedagógicas;

A área de recreio coberto da EB1 foi ampliada, mantendo-se no piso inferior (P0) do corpo sul, libertado agora da contenção a sul com a remoção da parede de tijolo vazado.
A área de recreio do JI, substituída agora pelo novo edifício central, é prolongada com uma pala exterior em toda a sua extensão e ligada a elementos ligeiros referidos no projecto de arquitectura paisagística.

Para além da ligação física entre os dois blocos (norte e sul), incorpora em si as várias instalações sanitárias, vestiários, salas polivalentes e áreas de gabinetes, sendo a sua cobertura destinada aos novos equipamentos quer de ventilação / climatização quer de energia solar.

Neste volume central, nos nós de ligação com os corpos pré-existentes, foram criados novos acessos verticais: um mecânico a sul, vencendo os 3 pisos e viabilizando a sua acessibilidade a utilizadores com mobilidade reduzida. Outro composto por uma escada de extrema importância que liga os 3 pisos e permite aceder à cobertura. Para além de solucionar a saída de emergência, esta concretiza uma ligação funcional palco e espaço polivalente no piso 0 (auditório / ginásio).

Estes blocos mantém na generalidade a sua compartimentação interior, sendo demolida e reconstruída a parede fronteira com o corredor, permitindo criar zonas especificas para zonas técnicas de vária ordem (ventilação, zonas de cacifos,  zonas de apoio com tampo, lavatório e arrumos).

A distribuição funcional nestes dois corpos, mantém-se na generalidade, sendo salas de actividades para JI no piso térreo do corpo norte, salas de aula para EB1 nos dois pisos (P0 e P1) do corpo sul e salas de formação artística, tecnologia e biblioteca no piso superior (P1) do corpo norte